quarta-feira, 19 de agosto de 2009

PROJETO DE PESQUISA NA UESB

Cada época tem suas leituras plurais de fatos e episódios, que são contextualizados de maneira pessoal ou coletiva. O presentismo que caracteriza a contemporaneidade é perceptível na construção da subjetividade a partir da sociabilidade difusa da experiência coletiva. “Este velho e ilustre eu não é senão uma hipótese, uma alegação; sobretudo não é uma certeza imediata”, antecipava Nietzsche (1978: 49). A descontinuidade ou intermitência dos valores culturais fazem com que o eu nietzscheano se perca neste novismo que chega a propor uma literatura multifacetada, apenas para desfragmentar o cronológico, desconstruindo o tempo no espaço social.

Assim, o presentismo vai aos poucos se insinuando como novo estilo, o pós-moderno. Quase não há mais possibilidade de reflexão neste universo caosmótico do hic et nunc, nesta sociedade volátil em que até as relações de consumo são virtuais. Todo o processo de individuação é dificultado neste ambiente de unidades mínimas e relativas, neste habitat em constante mutação. A instabilidade social configura-se como a única certeza possível e o ser/estar contemporâneo é sentir-se incluso neste redemoinho de informações ou (des)notícias, em que a mídia governa de forma inexorável.

Como escrever contos, crônicas, poemas neste status de imediatismo? Como transferir ao leitor sentimentos se todo o processo social é de desindividuação, se tudo o que se propaga é o alijamento das emoções? Por que desvelar a subjetividade e apresentar-se verdadeira neste jogo de indiferenciação social que marca a contemporaneidade? Só há uma resposta possível: para resistir. Mais do que nunca, produzir arte na contemporaneidade é resistir. Resistir à avalanche de contradições que objetiva unicamente massificar o indivíduo, que vem sendo soterrado bem distante de nossos olhos, cotidiana e gradativamente.

Toda vez que uma nova tentativa de produzir literatura para mitigar a sede de qualidade se implementa no cenário da agoridade, é possível detectar esta necessidade de permanência, este resistir. Significa dizer que uma vez mais o sujeito busca sua legitimação no coletivo, não se silencia. Arte unificada ou caleidoscópica, a produção literária contemporânea tem dizentes que não querem se calar. Ainda resistem.

O atual projeto de pesquisa propõe um estudo aprofundado da produção literária brasileira de autoria feminina e, mais especificamente, na Bahia, a fim de atualizar as leituras sobre o tema e fundamentar teoricamente as discussões dos alunos do Curso de Letras do campus da UESB em Jequié, que participarão do projeto.
Zilda Freitas



4 comentários:

  1. Olá, poeta e professora!

    Vim aqui visitá-la também.
    Gostei muito da idéia desse projeto literário que valoriza e destaca a literatura baiana feminina.
    Fico feliz!
    Obrigada pelos comentários e fique à vontade para vir aqui sempre que desejar.

    Um abraço,

    Maria Maria

    ResponderExcluir
  2. Que bom! Mais um site
    de análise da literatura feminina,
    sobretudo a baiana.
    Fico feliz, e espero que
    o site se torne um sucesso.

    Um abraço,

    Danilo Pereira

    ResponderExcluir
  3. Oi Zilda, saudades de vc, de suas aulas, de sua fala. Este blog me fez lembrar do meu tempo de estudos na UNEB-CAMPUS IV. Muito bom este blog.Aliás, como tudo o que tem feito.Olha, eu tentei o mestrado em Turismo, fiz disciplinas como aluna especial, mas senti-me como peixe fora d´agua. Sei que quero mesmo é gênero. Aliás, avise-me quando tiver eventos relacionados à escrita feminina, à mulher em geral.Beijos. Célia M. Batista. Mendes - Itabuna.
    Visite meu blog: cellinguas.blogspot.com

    ResponderExcluir
  4. oi, Zilda, saudades de vc, de suas aulas,de sua fala. Muito bom este blog.Lembrei-me do tempo de estudos na UNEB-CAMPUS IV. Por favor, avise-me quando tiver eventos na UESB, relacionados à escrita feminina, ou à mulher em geral. visete meu blog: cellinguas.blogspot.com

    ResponderExcluir